Pensamentos de Outubro

por giulianapalumbo

1 – Divulgar livro é horrível. Divulgar qualquer coisa é horrível. Implorar por atenção, por amor, por crença. É horrível! Torcer pra que as pessoas se interessem por mim é frustrante. Fazê-las engolir meus textos porque eu acredito que sejam bons é indecente. Eu gosto daqui porque aqui ninguém lê. E quando leem são um ou dois. Aqui sou eu de verdade, eu comigo mesma, sem implorar leitura. Sem amigos de facebook. Sem evento. Sem live de instagram. Aqui é quentinho e aconchegante. Seguro. Deixa eu ficar aqui até que um raio caia lá fora e descubram que sou boa.

2 – Ele tem sido um casaco num dia que promete esfriar. Um guarda-chuva numa garoa fina. Um filme do Woody Allen. Uma novidade sob medida.

3 – Cancelar a Netflix. Fazer a sobrancelha em casa. Contar moedas pra passagem. Não tenho roupas novas. Meu cabelo tá pedindo tintura. Pagar o convênio. Pagar o convênio da mãe. Pagar o FIES. Excluir o Uber. Sentir vergonha de não conseguir pagar ingresso de cinema. Sentir vergonha de não conseguir ir na peça da Alexia Twister. Temer. Não o presidente, o ato de sentir medo. Temer.

4 – Sexo. E agora?

5 – Lorelay. Por que essa necessidade da aprovação da Lorelay? Eu pareço a Alaska que se inscreveu cinco vezes. Eu pareço a Alaska que perdeu e tentou de novo. Alaska quis muito. Muito! Vencer. Ser amada. Ser aprovada pela RuPaul. Eu escrevi uma carta pra Alaska. Ela nunca deve ter lido. Eu escrevi uma carta pra Lorelay. Ela nunca deve ter lido. As drags não me leem. Nenhuma delas. E é pra elas que eu mais escrevo.

6 – Eu estou cansada e ainda falta um mês pro lançamento. E o que tem sido meu energético é a orelha escrita pela Maria Ribeiro. A forma de amor mais generosa do mundo. Maria me dá uma força absurda. Me dá esperança. Eu fico calculando o tempo pra sair a coluna dela e eu ter minha dose de calma.

7 – Minha melhor amiga se importa cada dia menos.

8 – Preciso que me leiam. Odeio precisar.

Anúncios