Pessoas boas

“Odebrecht afirma ter pago R$ 10 milhões ao PMDB a pedido de Temer”
“Alunos da PUC arrecadam R$ 10 mil para ajudar vendedor de bolos.”
Dessas notícias que a gente lê de manhã e escolhe se vai ter um bom dia ou não.
Sozinha no escritório, eu ouço o relógio que já nem faz mais tic tac e sim tec tec enquanto analiso as exigências dos e-mails de hoje. Não quero cumpri-las. É quarta-feira. Aguardo para ler a coluna quinzenal da Maria Ribeiro, porque as palavras dela costumam me fazer bem. É manhã, mas parece fim de tarde. Acordei sem vontade. Meio encurralada, estou novamente num lugar que não gostaria de estar, ciente de que eu mesma me coloquei aqui. Mas não sozinha. Nós todos nos colocamos aqui. A gente deixou o país desandar, né? Eu que só comentei no Twitter, vocês que encheram o pato, eles que aprovaram PEC. A gente só queria que melhorasse… A gente só queria representantes, não inimigos. A gente não queria ter brigado com os amigos que não concordam com a nossa visão política. Eu não queria estar aqui.
Aliso meu rosto enquanto penso em fazer bichectomia. Dessas coisas que a gente só pensa em fazer, mas não tem a real intenção. Outro dia, a vendedora de coxinhas disse que meu rosto estava inchado só de um lado. Infelizmente, ela estava enganada. Não era ciso e nem caxumba, era sobrepeso mesmo. Rosto gordinho dos dois lados. Pensei o quanto seria legal se fosse moda colocar silicone nas bochechas ao invés dos seios. Eu teria bochechas lindas. Estaria nos padrões. Talvez fosse uma Kardashian. Talvez eu não estivesse aqui. Não queria estar.
Meu pensamento começa a acelerar. Olho pro monitor e o imagino explodindo. Em seguida, imagino minha própria cabeça explodindo também. Começo a ficar estressada a ponto de ter que fazer exercícios de respiração. Meu estresse aumenta a ponto de eu mandar se foder quem inventou os exercícios de respiração. Paro. Não paro. Paro. Paro. Inspiro. Seguro a ar até ver se desmaio. Paro. Solto o ar. Foco na letra O do teclado enquanto tento não pensar em nada. Zen… Zen… Meu último texto foi sobre positividade. Onde é que eu fui parar? Aqui.
“MEU DEUS, MAS POR QUE TANTO NERVOSO?” Alguém perguntou. Não respondo. Mentalmente, tenho palavras chaves: dívidas, gente positiva, gordura localizada, gente feliz, desemprego, TEMER TEMER TEMER, desencontros, atrasos, chefe, teclado quebrado, TEMER! PEC! BRASIL! GUERRA NA SÍRIA! COXINHA A CINCO REAIS! TEMER TEMER TEMER!!!!
Procuro um motivo pra ficar feliz. Saiu a coluna da Maria Ribeiro. Ela tem me deixado feliz. Algumas pessoas me deixam feliz só de existirem. A famosa lista dos estados de fluxo que me deixam contente podia ser substituída por uma lista de pessoas de fluxo. Maria Ribeiro, Alexandre Nero, Madonna, Britney Spears, Woody Allen, Tati Bernardi, Fernanda Young, Claudia Abreu, e duas ou três amigas. Duas.
Paro e respiro de verdade. “Pessoas salvam pessoas” é uma frase da Maria. Ás vezes, pessoas boas me devolvem o ar sem poluição. Pessoas boas arrecadam 10 mil reais pra ajudar vendedor de bolos. Eu dependo dessas pessoas boas, que não são completamente boas, mas pelo menos ainda têm uma boa parte. Está bem. Está tudo bem. Vocês têm razão. Vai dar tudo certo uma hora dessas. A gente vai sair daqui. Eu vou sair daqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s